Na tela, você vê RGB. Mas, a impressora imprime em CMYK. E agora? | DSI | Distribuidor EPSON Autorizado

Blog

Na tela, você vê RGB. Mas, a impressora imprime em CMYK. E agora?

Na tela, você vê RGB.  Mas, a impressora imprime em CMYK. E agora?

Considerando que o olho humano consegue ver muito mais que 16 milhões de cores, criar usando o máximo de tonalidades possíveis parece maravilhoso, não é?

Mas, por mais que toda essa maravilha exista, na hora de criar, estamos à mercê da capacidade tecnológica dos equipamentos de LED e monitores em geral que utilizam a paleta de cores RGB.

E quando chega a hora de imprimir, mudamos de sigla e a paleta de cores para o CMYK.

É neste momento surgem todas essas siglas que começa a confusão para muitas pessoas.

Afinal, o que é isso, porque é assim e como trabalhar desta forma?

Primeiro de tudo. RGB é a sigla para Red (vermelho), Green (verde) e Blue (azul).

Essas três letrinhas denominam um sistema de cores que foi criado ainda em 1953, com a invenção das primeiras TVs.

De lá para cá, todos os monitores criados usam este tipo de modelo para representação das cores.

Este sistema é conhecido como cor luz, porque quando sobrepostas, as três juntas resultam no branco. Sua síntese é aditiva, e quando justapostas duas a duas, resultam nas cores primárias magenta, amarelo e azul ciano.

Já o CMYK é o sistema de cores usado na hora da impressão.

E é a sigla para Cian (Ciano), Magenta (magenta), Yellow (amarelo) e Black (preto). Este sistema é considerado substrativo ou conhecido como cor pigmento. Quando sobrepostas, resultam no preto.

Por isso, cores que existem no RGB podem não existir no CMYK, que é o principal sistema de cores usado na indústria gráfica.

Depois dele, o segundo sistema é o Pantone. Mas, isso é assunto para outro post.

O CMYK sempre vai imprimir cores aproximadas ao que você vê na tela. Dificilmente serão exatas.

Por isso, é sempre importante o cliente aprovar uma prova digital antes de autorizar a impressão final do material.

Para que ele tenha ciência destas diferenças ou se façam os ajustes necessários para chegar a cor mais aproximada possível.

Mas, por quê as telas usam o RGB e a impressoras CMYK?

A explicação é simples.

Na tela dos monitores é a incidência de luz de dentro que faz com que o olho humano perceba os pigmentos.

Já na impressão, é a luz externa que faz com o olho capte as tonalidades.

Mas, pode ficar tranquilo. A maioria dos programas de fechamento de arquivo já faz a conversão automática na hora de preparar o arquivo para o processo gráfico convencional.

No sistema de impressão digital, não é preciso esta preocupação, porque o arquivo deve ser fechado em RGB mesmo.

Isso acontece porque os RIPs de impressão tipo Wasatch e Onix aconselham o fechamento em RGB, porque este sistema possui uma gama de cores maior.

Na hora da impressão, o RIP funciona como tradutor, transformando o RGB para CMYK de forma correta, para você ter o melhor resultado em cores vivas e nas tonalidades certas.

Lembre-se: sempre é bom manter seu pessoal treinado e ciente de todos os detalhes da produção para ganhar agilidade e qualidade no material, e evitar erros que acarretem em prejuízos.

Afinal, o que é óbvio para você, pode não ser para outra pessoa.

Referências:
http://sala7design.com.br/2016/06/falando-sobre-cores-entenda-o-que-e-cmyk-rgb-e-pantone.html

Conteúdos Relacionados
CONTEÚDOS SUPERINTERESSANTES para você, que trabalha com impressão para sublimação, impressão solvente, rótulos e etiquetas, CAD e foto. Confira!
VER MAIS CONTEÚDOS
Newsletter
Receba os nossos conteúdos no seu e-mail
Atendimento via WhatsappAtendimento